• DataAlagoas, 26 de Maio de 2016
  • AumentarDiminuirNormal

Fapeal convida Assespro e diversos parceiros para discutir políticas públicas de CT&I em Alagoas

24 de Maio de 2016 às 07:12
Assessoria Assespro AL
Compartilhe:

Zoom
Entidades discutiram políticas públicas de fomento a CT&I

 Na manha da segunda-feira (23) a Assespro-AL esteve presente com o Presidente da Fapeal, Fabio Guedes, o Secretário de CT&I, Pablo Viana, o Diretor Técnico do Sebrae, Ronaldo Moraes e técnicos da Desenvolve.

O encontro teve como objetivo conhecer os projetos, programas e políticas públicas que a Fundação está executando ou irá lançar para fortalecer a Política de CT&I de Alagoas. Além do lançamento de editais voltados para pesquisa e desenvolvimento junto as universidades no aperfeiçoamento do capital intelectual, também serão lançados editais de fomento ao empreendedorismo inovador e maior integração entre governo, academia e setor produtivo de tecnologia e informação.

A Fundação apresentou a metodologia de um programa intitulado "Sinapse de Inovação". A proposta é trazer esse modelo exitoso de Santa Catarina e implantar em Alagoas. O programa irá apoiar 50 projetos/startups inovadoras de diversas áreas com recursos não reembolsáveis, consultorias, capacitações e apoio no lançamento do produto ao mercado.

A Assespro se posicionou totalmente favorável a proposta por entender que tais ações contribuirão para o fortalecimento da cultura empreendedora, da transferencia de tecnologia e para a integração das políticas de CTI de Alagoas.

Resultados da reunião do Setor de TI e panorama do diálogo com governo de Alagoas

20 de Maio de 2016 às 15:49
Assessoria Assespro AL
Compartilhe:

 Na última quinta-feira (19) foram reunidos empresários, gestores de tecnologia da informação, e representantes do movimento alagoano Sururu Valley na sede da Assespro-AL no Jaraguá junto com diretores da Associação.

O encontro liderado pela Assespro-AL teve como pauta a retrospectiva dos modelos de gestão do Cais Tecnológico já construídos desde 2011 e que contaram com a participação dos diversos setores (governo, academia e setor produtivo); apresentação do diálogo com Governo de Alagoas (Sedetur) sobre a exclusão da figura do Gestor à frente da mobilização e dinamismo do Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação de Maceió (APL de TI); participação do Setor produtivo representando o Setor de Tecnologia da Informação no Conselho de Ciência, Tecnologia e Inovação de Alagoas (Conselho de CT&I) e abertura de espaço para exposição dos fatos que vêm acontecendo em relação a InfoVia de Alagoas. Um consórcio liderado pela Empresa Alagoana Aloo Telecom.

Diante da pauta acima exposta, representantes da Associação fizeram uma retrospectiva dos modelos de gestão já construídos pela gestão anterior da Secti, sendo 21 e 22 de Julho de 2011 com a participação de representantes da UFAL, UNCISAL, Estácio FAL, Cesmac, Fits, FAT, IFAL, Incubadora IET, ITEC, FINEP, CNPq, Desenvolve/AFAL, Assespro, APL de TI de Maceió, Laboratório LCCV, Microsoft, Serveal, Sebrae-AL, Senac-AL, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco do Nordeste, Bradesco, FIEA, SENAI, IEL, SECTI, Ministério de CT&I e a FAPEAL. A partir das oficinas ministradas pela Empresa MDL Brasil foram construídos os seguintes documentos: 1) Estratégias de Implementação, 2) Modelo de Governança, 3) Custos Iniciais de Implementação e 4) Projeto para Captação de Recursos.

Em julho de 2012 os consultores e juristas do Rio Grande do Sul, Olávio Motta e Itamar Freitas, a partir de estudos realizados e entrevistas com atores e gestores locais, construíram o segundo modelo de gestão do Cais Tecnológico, entregando os documentos gerados a Secretaria de Ciência e Tecnologia. Modelo este que tinha como base a estruturação da Fundação Parque Tecnológico Social de Alagoas e que o Cais Tecnológico faria parte desta Fundação em conjunto com mais dois Polos, um sediado em Arapiraca e o outro em Batalha.

Após estes dois modelos já construídos e propostos pela antiga gestão da Secti, o Setor Produtivo de Tecnologia da Informação em conjunto com juristas locais, Universidade Federal de Alagoas, membros do APL de TI de Maceió e representantes do Sururu Valley construíram um terceiro modelo considerado mais adequado e que tem maior autonomia e dinamismo. Este modelo leva em consideração a construção de um conselho com autonomia e pouca (ou quase nenhuma) interferência política. Tal documento foi construído baseado em outros Polos e Parques Tecnológicos considerados modelos no país.

Diante disto, ao apresentar a proposta de que o governo irá direcionar energia, recursos e principalmente tempo, para construção do quarto modelo de gestão, o Setor na reunião reagiu de forma negativa, pois o modelo apresentado pela Associação e entregue a Secretaria de Ciência e Tecnologia é considerado o mais adequado para a realidade alagoana e dinamismo local.

“Não temos mais tempo para rediscutir e construir pela quarta vez um novo modelo de gestão, pois o Cais Tecnológico irá abrir as portas e não teremos a instituição formalizada”, afirmaram alguns empresários presentes.

Quando levantada a questão da transferência da sede da Secti para o prédio do Cais Tecnológico, o setor não aprovou a ideia por achar que a burocracia governamental não se encaixa no dinamismo proposto do complexo de tecnologia. Porém, o grupo não se opôs a reservar pontos para órgãos governamentais, incluindo a Secti, com o intuito de aproximar iniciativa privada e pública.

No que tange ao APL de TI, a Assespro-AL informou a saída da figura do gestor do APL de TI e da nova formatação que a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo e a Secretaria de Ciência e Tecnologia estão trabalhando para propor. No entanto, os empresários presentes reafirmaram a necessidade de um agente mobilizador no setor produtivo, caracterizada pela figura do Gestor. Ações articuladas e desenvolvidas pelo Gestor em parcerias com as entidades locais são fundamentais e estratégicas para o fortalecimento das empresas inseridas no Arranjo.

Tão importante quanto aos itens acima mencionados foi também a reivindicação da participação do Setor Produtivo no Conselho de Ciência e Tecnologia do Estado de Alagoas. O grupo acredita que não faz sentido o setor ficar de fora no Conselho, tendo em vista que os projetos tidos como estruturantes do Setor surgiram dos anseios dos empresários do mesmo segmento.

E por último, mas não menos importante, foi concedido um espaço para o CEO da Empresa líder do Consócio Aloo Telecom narrar os fatos que vêm acontecendo na execução do Contrato da InfoVia. Contrato este que foi firmado através de licitação entre o Instituto de Tecnologia em Informática e Informação de Alagoas (ITEC) e o Consórcio já mencionado. A Aloo Telecom tem tido dificuldades para receber o pagamento do ITEC, inclusive. Em breve mais informações sobre o ocorrido em um post específico.

 

Fapeal e Assespro-AL fortalecem parceria em prol do setor de TI

20 de Maio de 2016 às 08:37
Assessoria Assespro AL
Compartilhe:

Zoom
Jean Paul Neumann, Fábio Guedes e Luciano Santana

 Na última terça-feira (17), o Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), Fábio Guedes Gomes, o Gestor do Arranjo Produtivo Local de TI (APL de TI), Adeilto Lima, e diretores da Assespro-AL, Luciano Santana (Presidente) e Jean Paul Neumann (Relações Institucionais) discutiram formas de fortalecimento do setor na sede da Fapeal, no centro.

O objetivo da conversa foi discutir caminhos favoráveis para apoio de projetos de tecnologia, inovação e ciência de Alagoas. Além da manutenção do APL de TI. Assespro falou também sobre o cenário do setor e apresentou projetos do Polo Tecnológico e ações do APL. A questão da governança do Polo foi tratada com urgência, tendo em vista que a conclusão das obras se aproxima.

A Assespro-AL continua representando o setor e está lutando junto com entidades estratégicas para o setor de TI. O intuito é sempre o mesmo: fortalecer a ciência, a tecnologia e a inovação de Alagoas.

A Fapeal, como entidade parceira, mais uma vez se demonstra comprometida nas questões voltadas para o setor de TI discutindo e apoiando ações que levem ao fortalecimento. Fapeal também tem proposto lançamento de editais que venham a fomentar a pesquisa, desenvolvimento e inovação do ecossistema tecnológico alagoano.

Aloo em um alto nível de telecomunicações

19 de Maio de 2016 às 10:54
Assessoria Assespro AL
Compartilhe:

Divulgação Zoom
Felipe compara sociedade com Sergio com um casamento

 Estamos diante de uma geração que tem a tecnologia e conectividade em seu DNA. Assim é Aloo Telecom, uma das maiores empresas de telecomunicações do nordeste, e com atuação em outras regiões. É simplesmente um exemplo a ser seguido quando os planos são expandir mercado. Em entrevista com o sócio Felipe Cansanção, ele conta a trajetória até o sucesso de uma empresa que só tem crescido, a relação de “casamento” que possui com o sócio Sergio Brito, entre outros assuntos.

Felipe, com 33 anos, é Bacharel em Direito com MBA em gestão empresarial, enquanto Sergio, 40, é formado em Engenharia Eletricista e tem o mesmo MBA na mesma instituição que o sócio. Felipe compara a relação com o parceiro com uma relação conjugal. “Sociedade é muito parecido com casamento. Isso é tão clichê quanto é verdade. A escolha de um sócio implica em escolher alguém que estará ao seu lado por um bom tempo e com o qual você vai precisar tomar decisões que impactarão nas suas vidas e nas de seus colaboradores”. Ele conta que foi feliz na parceria feita. “Felizmente tive a sorte de contar com um grande amigo, e um profissional extremamente competente e preparado”, disse Felipe. Sobre sua vida profissional antes da empresa, Cansanção sempre esteve interligado com telecomunicações.

Quando perguntado sobre o início, Cansanção explica o começo, o caminho e como é hoje. “A Aloo Telecom iniciou suas atividades em 2003 atuando como provedor de acesso à Internet banda larga via cabo, em parceria com a antiga Big TV (hoje NET) e via rádio”. Não satisfeitos, a empresa decidiu investir na construção da própria fibra óptica para atender melhor os clientes. “Posteriormente, em 2007, passamos a investir na construção de nossa rede de fibra óptica, reforçando nossa presença no estado de Alagoas e redirecionando nosso foco para o mercado corporativo”.

 

Zoom
Aloo Telecom é uma das maiores empresas de telecomunicações do Nordeste

 No começo, dava para contar os funcionários nos dedos, hoje o quadro já passa de uma centena. “No início tínhamos cinco funcionários e hoje temos 138. A transição foi feita de forma planejada, adequando às necessidades dos projetos e os clientes que foram conquistados”. Hoje a empresa conta com prêmios e reconhecimento que ultrapassa os limites regionais.

O crescimento foi estrondoso e os resultados estão onde você nem pode ver. “Hoje nossa estrutura conta com mais de 25 mil quilômetros de fibra óptica de última geração, distribuídas por diversos estados brasileiros.” O investimento, porém, não para de acontecer e os frutos são colhidos por meio da qualidade do serviço prestado. “Temos presença marcante na região Nordeste, mas atuamos em outras regiões como a Sudeste, Centro-oeste e Norte. Estamos presentes nos 102 municípios alagoanos. Foram realizados aproximadamente R$30 mi de investimento em 2014 e 2015 no Estado de Alagoas. Somos uma das maiores empresas de Telecomunicações do Nordeste. Recentemente investimos na ampliação de nossa rede em Aracaju-SE, atingindo todo território da Capital Sergipana”.

A Aloo Telecom é uma operadora de telecomunicações com grande qualidade comparada ao mercado, e atua oferecendo conexão em fibra óptica de alta velocidade para outras empresas, se destacando em oferecer uma customização para os clientes. Entre os principais produtos estão: Conexão MPLS, Ponto a Ponto, IP Dedicado, Hotspot, EILD, Outsourcing, Colocation, DarkFiber, Projetos Customizados em Telecomunicações, entre outros. Sobre produtos novos, Felipe fala que a Aloo sempre está atenta ao que a tecnologia tem de mais inovador. “A Aloo está constantemente atenta às inovações do mercado de Ti e Telecom. Sempre que surgir uma nova tecnologia que possa vir a oferecer aos nossos clientes soluções diferenciadas em conexão de dados com alto desempenho, a Aloo estará envolvida. Temos como meta lançar três novos produtos inovadores para o mercado nacional ainda este ano”.

Zoom
Atuação ultrapassa limites regionais

 Uma trajetória de 13 anos possui altos e baixos, acertos e erros. Se o maior equívoco foi não ter feito o planejamento necessário nos primeiros anos, a Aloo aprendeu com o erro e transformou a cultura da empresa. Segundo Felipe, o maior acerto é transformar a “Cultura inserida no DNA da empresa de realizar planejamento estratégico e resultados com criticas e avaliações continua”. Mas as dificuldades sempre aparecem. E para um dos sócios da Aloo, a maior delas é ter acesso facilitado para linhas de crédito. “A maior dificuldade é o acesso a linhas de credito de longo prazo com juros justos, isto dificulta bastante o crescimento de pequenas e medias empresas em todo Brasil”. No entanto, isso não impede os sócios de sonharem alto, e quando perguntados sobre onde veem a empresa em 10 anos, a resposta é simples e firme. “Ser uma das maiores empresas de telecomunicações do Brasil”.

Ter parceiros que lutem pelo setor é fundamental, então. Por isso a empresa é associada à Assespro-AL e ao Arranjo Produtivo Local de TI em Alagoas (APL de TI). Felipe fala um pouco sobre a importância dessa parceria. “A Assepro cumpre papel de suma importância defendendo os interesses das empresas de tecnologia da informação em nosso Estado e valorizando este Setor tão importante para economia. A Aloo Telecom, como parte desse ecossistema, é diretamente beneficiada pela atuação da Assespro”.

Perguntado sobre o cenário atual tanto de economia quanto do setor, Felipe mostrou otimismo baseado na evolução das empresas. “As empresas que compõem o cenário tecnológico no estado de Alagoas estão num processo de franca evolução. O apoio de entidades como a Assepro contribui de forma significativa para esse desenvolvimento. As dificuldades inerentes ao cenário econômico brasileiro, sobretudo em Alagoas, é um desafio adicional, mas a criatividade de nossa gente aliada à facilidade de acesso à informação, com o advento da Internet, ajuda a construir um ambiente propício”.

Visite o site da Aloo: http://www.aloo.com.br/

 

Zoom
Conheça a Aloo Telecom

 

Assespro e Sedetur fazem reunião e conversam sobre o APL

17 de Maio de 2016 às 07:38
Assessoria Assespro AL
Compartilhe:

Philipi Accete/Assespro-AL Zoom
Reunião ocorreu na noite de ontem (16) no prédio da Sedetur no Jaraguá

 Na última segunda-feira (16) foi organizada uma reunião com o Secretário de Estado da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur), Helder Gonçalves, o gestor do Arranjo Produtivo Local de TI em Alagoas (APL de TI), Adeilto Lima, e os diretores da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação de Alagoas (Assespro-AL), Luciano Santana (Presidente), Jean Paul Neumann (Relações Institucionais), Celso Xavier (Comunicação e Marketing) e Dirceu Ayres (Associativismo e Sustentabilidade). O encontro contou também com a participação dos membros da Sedetur, Giselle Mascarenhas e Vagner dos Anjos.

Na pauta da reunião estiveram temas como a manutenção do APL de TI e a importância do fomento ao setor. Foi discutido também o planejamento estratégico para o crescimento do TI em Alagoas e como manter o cenário favorável para academia e empresários ligados à tecnologia, ciência e inovação.

Philipi Accete/Assespro-AL Zoom
Secretário Helder Gonçalves recebeu Assespro

 
Helder Gonçalves mostrou disposição de ouvir o setor produtivo de Tecnologia e de manter conversas com outras entidades para fazer andar os projetos e não estagnar o progresso feito do APL nos últimos anos.

Saiba mais sobre o APL de TI

O Arranjo Produtivo Local T.I. faz parte da estratégia de desenvolvimento econômico do Governo de Alagoas. O APL TI é distribuídas nos segmentos de Desenvolvimento de Software, Provedores de Internet, Comércio de Hardware e Serviços de Tecnologia da Informação.

Philipi Accete/Assespro-AL Zoom
Vagner dos Anjos, Giselle Mascarenhas, Dirceu Ayres, Celso Xavier, Luciano Santana, Helder Gonçalves, Jean Paul Neumann e Adeilto Lima

 O APL Tecnologia da Informação integra o Programa de Arranjos Produtivos Locais (PAPL), coordenado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur), em parceria com o Sebrae. A iniciativa contempla 84 municípios em Alagoas e presta assistência aos setores de serviço, indústria e agronegócio.